sábado, 26 de setembro de 2009

20 milhões.

Esse foi o número de russos que morreram durante a Segunda Guerra Mundial. E o mundo inteiro se sensibilizou com o Holocausto - e não sem razão, pois a crueldade dos campos de concentração é impressionante. Já dizia Stálin que "uma morte é uma tragédia, duas mortes são estatísticas". E isso remete a um desafia que ultrapassa cálculos matemáticos. Quando foi que o ser humano perdeu sua humanidade? Lynn Hunt defende em uma de suas obras que os Direitos Humanos se configuram não apenas no aspecto social, mas principalmente no aspecto pessoal. Ela defende que o que caracteriza os Direitos Humanos é uma espécie de repúdio que o ser humano sente ao constatar uma determinada violação. Por exemplo, todos se lembram do caso do menino João Hélio, que foi arrastado por quilômetros pendurado em um cinto de segurança de um carro. Esse acontecimento causou asco em toda a população brasileira e motivou inúmeras passeatas pela paz. Entretanto, policiais morrem o ano inteiro. Inúmeras pessoas são vítimas da violência urbana. Durkheim define aquilo como "patológico" o fato social que causa assombro no ser humano. Porque meros assaltos acontecem com tanto freqüência que já não causam mais impacto nos noticiários. E uma boa pergunta que cada um deveria se fazer é "quando foi que o mundo perdeu essa sensibilidade?" É evidente que depois das duas grandes guerras que devastaram o continente europeu, essa sensibilidade foi reduzida. Muitas mortes viraram dados de Estatística. O grande problema é que o sofrimento - das famílias dos mortos, por exemplos. - não podem ser contabilizados.

20 milhões de russos morreram durante a Segunda Guerra Mundial.
Mas eu me pergunto: você realmente conhece o valor da vida de UM deles?

7 comentários:

  1. Quando foi que o ser humano perdeu sua humanidade? [2]

    Acho que a maioria deles já vem sem..evolucionismo

    ResponderExcluir
  2. sem que eu digo é humanidade..não sei se fui claro

    ResponderExcluir
  3. Superinteressante de setembro que fala sobre a guerra tem uma frase do George Patton: "O objetivo da guerra não é morrer pelo seu país. É fazer o idiota do outro lado morrer pelo dele."

    E os inocentes? Mereciam morrer?

    ResponderExcluir
  4. Assino abaixo do comentário do Matheus.
    ''O objetivo da guerra não é morrer pelo seu país. É fazer o idiota do outro lado morrer pelo dele.''
    Cadê a humanidade? O que parece é que o homem quer cada vez mais jorrar sangue e brigar para decidir quem é o melhor.

    ResponderExcluir
  5. Na verdade eu penso exatamente o contrário:

    Quando o homem ganhou a humanidade? Afinal, assim como o que chamamos de amor, não é tão biológico assim esse sentimento

    Creio que foi quando ele não teve mais que matar a tribo rival para poder ficar com as batatas, afinal sua tecnologia poderia produzir batatas suficientes para todos. Desse modo não se justificava mais matar o próximo, pois a única desculpa aceitável havia sido eliminada...E a sobrevivencia do maior número de indivíduos possível da espécie era o que importava a partir daquele momento e não apenas a subrevivência de um grupo só.

    Mas e quando as batatas não são suficientes? Ou quando nós queremos batatas para vendermos e conseguirmos ainda mais batatas?

    Ai a humanidade que se foda. Guerra é guerra.

    ResponderExcluir
  6. A humanidade é desumana pq almejamos um ideal de justiça que não condiz com nossas ações coletivas.

    ResponderExcluir